Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

As minas terrestres nos Balcãs

Mäyjo, 19.05.15

As cheias dos balcãs

Fotos: Associated Press / Mashable

 

RETALHOS DA VIDA E MORTE DE UM ICEBERG

Mäyjo, 19.05.15

Vida e morte de um iceberg

Já muita gente fotografou icebergs mas ninguém o fez como Simon Harsent. Este fotógrafo inglês, a trabalhar em Nova Iorque, retratou a vida e morte dos icebergs, num trabalho que mais se assemelha a pintura do que a fotografia.

As fotos foram compiladas na série “Melt/Portrait Of Na Iceberg”. Para o trabalho, Harsent inspirou-se em três elementos: água, céu e gelo. Com formação também na área da pintura, Harsent foi ainda beber inspiração ao trabalho de Mark Rothko, pintor norte-americano, em especial às obras “Preto no Verde” e series “Seagram”, com as quais o fotógrafo se cruzou na juventude.

“O que aprecio no Rothko é a sua definição de cor. Ele não cria apenas painéis de cor. Existe muita profundidade e textura nas pinceladas”, explica Rothko em entrevista ao Huffington Post. Em homenagem ao pintor, Harsent esbateu as cores das suas fotografias. O resultado e á primazia da textura, num branco monocromático.

Para fotografar o ciclo de vida dos icebergs, Harsent viajou até Iceberg Alley, uma passagem na Gronelândia onde estas massas de gelo se separam das calotes polares. Ao longo da viagem de barco de 10 dias, feita em 2008, o fotógrafo parou ainda na Disco Bay da Gronelândia, onde as estruturas de gelo se separam do Fiorde Ilulissat. Posteriormente, viajou para a Terra Nova e Labrador, no Canadá, para fotografar a morte destes icebergs, onde eles terminam a sua viagem, já muito reduzidos, e se acabam por afundar.

Originalmente, as fotos foram compiladas num livro, “Melt”, em 2009. Contudo, as imagens voltaram a ser comentadas no meio artístico, na sequência de uma recente exposição em Melbourne.

Ron Finley: um guerrilheiro de jardim em L.A.

Mäyjo, 19.05.15

Ron Finley é um artista e a sua arte é embelezar relvados da zona Centro-sul de Los Angeles transformando-os em florestas alimentares. Ou um guerrilheiro de jardim cuja arma é uma pá e cuja missão é ensinar  e tornar acessível a alimentação saudável. O texto que se segue é extraído do vídeo da sua palestra TED (abaixo) Não deixem de o ver e ouvir!

«Sou um artista. A jardinagem é o meugraffiti. Planto a minha arte. Tal como um artista de graffiti, que embeleza paredes, eu embelezo relvados e canteiros. Uso o jardim, a terra, como se fosse um pedaço de tecido, e as plantas e as árvores, são o meu embelezamento desse tecido. É surpreendente o que a terra pode fazer se a deixarmos ser a nossa tela. Não se pode imaginar a maravilha que é um girassol e como ele afeta as pessoas.
 
Então, o que aconteceu? Eu testemunhei o meu jardim tornar-se numa ferramenta para a educação, uma ferramenta para a transformação do meu bairro. Para mudar a comunidade, tem de se mudar a composição do solo. Nós somos o solo. É surpreendente como as crianças são afetadas por isto. A jardinagem é a ação mais terapêutica e desafiante que se pode fazer, especialmente no centro da cidade. E ainda se conseguem morangos.»

 

POR QUE RAZÃO A TECNOLOGIA DE CAPTURA E ARMAZENAMENTO DE CARBONO VAI VINGAR?

Mäyjo, 19.05.15

white rose_SAPO

Em Julho de 2014, a Comissão Europeia decidiu financiar o primeiro grande projecto europeu de captura e armazenamento de carbono, um sinal de que a tecnologia veio para ficar e que será importante na transição para a economia verde.

Segundo Humberto Rosa, director para a adaptação e tecnologias de baixo carbono e direcção-geral da Acção Climática da Comissão Europeia, a captura e armazenamento de carbono é uma tecnologia “indispensável” para a “longa mas inevitável transição para uma sociedade não dependente de combustíveis fósseis” e será uma realidade a curto e médio prazo.

“Todos os estudos e modelos indicam um papel relevante desta tecnologia na Europa e no mundo, e ela está comprovadamente madura para aplicação comercial”, explicou em entrevista exclusiva ao Green Savers.

A equipa de Humberto Rosa gera a iniciativa NER300 (New Entrants Reserve 300), que apoia projectos inovadores de energias renováveis e de captura e armazenamento de carbono, através de verbas da venda de licenças de emissão de CO2.

O projecto aprovado em Julho, White Rose, de origem britânica, foi o único de captura e armazenamento de carbono que obteve financiamento do NER300. “Temos muita expectativa de que esse projecto veja a luz do dia tão cedo quanto possível, para plena demonstração da viabilidade desta tecnologia também na Europa”, continuou.

Em Portugal, porém, o cenário está mais atrasado. “Não estou ciente de qualquer plano ou projecto de captura de carbono em Portugal”, confessou Humberto Rosa. Ainda assim, o nosso país obteve financiamento do NER300 para vários projectos inovadores de energias renováveis.

Conheça melhor o projecto White Rosa, que obteve financiamento de €300 milhões por parte da União Europeia.